diHITT - Notícias Auto Sauer: 2009

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Fornecedora Delphi sai da concordata nos EUA

Empresa, que pertencia à GM, levou quatro anos para finalizar processo


Após quatro anos sendo administrada de acordo com o Capítulo 11 da Lei de Falências dos Estados Unidos, a multinacional Delphi conseguiu sair na última terça-feira (6) do estado de concordata. A empresa, que pertenceu à GM, chegou a render vários bilhões de dólares para a fabricante norte-americana, mas sofreu um grave revés com a diminuição nas vendas daquele mercado.

A Delphi atualmente constituída será dividida entre os credores, que ficarão com a divisão de componentes eletrônicos da companhia, e a GM, a quem caberá a deficitária operação nos EUA. Com o plano de reestruturação aprovado pela Corte de Falências, a Delphi mudará sua razão social de Delphi Corporation para Delphi Holdings LLP. Rodney O’Neal, que ocupa o cargo de CEO na fornecedora, agradeceu “a confiança e lealdade dos consumidores, que confiaram na habilidade da Delphi de fornecer produtos de qualidade global, e o apoio dos fornecedores, que contribuíram com nossos esforços”.

O pedido de concordata da Delphi foi realizado em 8 de outubro de 2005 e, na época, foi o maior acontecimento do tipo para a indústria automobilística norte-americana, só perdendo relevância para as concordatas posteriores de Chrysler e GM. O custo estimado do processo da Delphi atinge a cifra de US$ 400 milhões (cerca de R$ 720 bilhões) incluídos os custos dos profissionais que cuidaram do caso. No ano passado, a Apaloosa Capital Management tentou adquirir a Delphi em uma negociação de US$ 2,55 bilhões (R$ 4,6 bilhões), mas o negócio não foi adiante devido a desistência de um dos investidores.


A GM ainda herdará uma dívida trabalhista de mais de US$ 1 bilhão (R$ 1,8 bilhão), sendo que mesmo assim anunciou um investimento de US$ 1,75 bilhão (R$ 3,1 bilhões) para fornecer empréstimos à Delphi. Em 2008, a fabricante de autopeças registrou um total de vendas de US$ 18 bilhões. A Delphi conta com 11 fábricas na América do Sul e atua nas áreas de tecnologia móvel, componentes e sistemas de transporte.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Nelsinho Piquet admite que pode correr na Fórmula Indy


Após se envolver em escândalo na Fórmula 1, piloto brasileiro cogita passar um ano nos Estados Unidos

Após o escândalo em que se envolveu na Renault depois de bater de propósito no GP da Cingapura do ano passado, para favorecer o companheiro de equipe, Fernando Alonso, Nelsinho Piquet já procura alternativas para a carreira. Sem espaço na Fórmula 1 neste momento, ele cogita a possibilidade de conseguir uma equipe para correr na Fórmula Indy na temporada 2010.

"As coisas ficaram difíceis depois deste escândalo. Por isso, talvez eu vá para os Estados Unidos e fique lá por um ano, tentando fazer um bom trabalho até a poeira baixar", declarou o brasileiro, em entrevista à revista alemã Auto Motor und Sport.

O filho do tricampeão mundial Nelson Piquet correu pela Renault em 2008 e até o GP da Hungria em 2009, quando foi demitido. Depois, revelou o escândalo que terminou com o banimento da categoria do ex-dirigente da escuderia Flavio Briatore. Já o piloto de 23 anos foi beneficiado pelo sistema de delação premiada e saiu impune do julgamento da Federação Internacional de Automobilismo (FIA).


Ainda em entrevista à Auto Motor und Sport, Nelsinho afirmou que está arrependido e prometeu que jamais voltará a cometer erro semelhante. "Aquilo foi um caso isolado", assinalou.
(Estadão)

Ford vai construir terceira fábrica de carros na China

Crescimento das vendas pode superar capacidade de produção.
Nova unidade poderá produzir 150 mil unidades por ano.

A Ford Motor e sua parceira chinesa vão anunciar na sexta-feira (25) planos para uma terceira fábrica de carros da marca na China, onde as vendas podem em breve superar a capacidade de produção.


A Ford, que compete com a General Motors e outras montadoras globalmente, produz os modelos Focus, Mondeo e outros automóveis sedã na China por meio de uma parceria com a Chongqing Changan Automobile e a japonesa Mazda Motor.


A nova instalação, localizada na cidade de Chongqing, no sudoeste da China, terá uma capacidade de produção de pelo menos 150 mil unidades por ano, elevando a capacidade atual da Ford no país asiático para 447 mil unidades, informou a fonte à Reuters.


"Haverá uma cerimônia de construção na sexta-feira e o presidente global da Ford, Alan Mulally, estará lá", disse a fonte que pediu para não ser identificada, já que os planos para a nova instalação ainda não foram anunciados publicamente.


Detalhes financeiros e mais informações sobre a nova fábrica não estavam disponíveis.


A China, que superou os Estados Unidos como o maior mercado automotivo do mundo em janeiro, tem sido o principal aspecto positivo no abatido setor global, conforme o pacote de estímulo econômico de Pequim impulsiona a confiança do consumidor.


Muitas montadoras, como a GM e a Hyundai Motor, estão construindo fábricas ou se juntando a novos parceiros para aproveitar o crescimento explosivo das vendas desde abril.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

União Europeia vai acompanhar a venda da Opel

Comissão vigiará para 'que se respeitam as normas europeias'.
Ajuda não poderá ser condicionada à localização das fábricas da Opel.


A Comissão Europeia (órgão executivo da União Europeia) advertiu nesta sexta-feira (11) que acompanhará a venda da Opel e que as ajudas públicas que possam ser definidas por alguns países não devem ser condicionadas à manutenção da produção em seus territórios.


A Comissão vigiará para "que se respeitam as normas europeias", advertiu o porta-voz do Executivo da União Europeia (UE), Johannes Laitenberger, que ressaltou que as ajudas de Estado "não devem ser condicionadas" a interesses não comerciais "ou à localização geográfica da reestruturação".


O porta-voz disse que a Comissão organizará, "quando achar apropriado", outra reunião em nível ministerial dos países comunitários afetados pela situação de Opel, semelhante a uma já realizada em março.



A General Motors (GM) - casa matriz da Opel - anunciou na quinta-feira (10) a venda de 55% da filial europeia ao fabricante de autopeças Magna, e também que a fábrica da Opel na Antuérpia seria fechada progressivamente.



O vice-primeiro-ministro e titular de Finanças da Bélgica, Didier Reynders, se mostrou hoje a favor de que a Comissão investigue um possível protecionismo alemão na venda da Opel à Magna.



Seus comentários ocorreram depois do anúncio do vice-presidente da GM, John Smith, de que se fecharia progressivamente a fábrica da Antuérpia.


Além disso, a Magna prevê que a fábrica de Figueruelas (Espanha) e a de Ellesmere (Reino Unido) reduzam sua atividade, enquanto as unidades em solo alemão não seriam afetadas.



O porta-voz da Comissão Europeia evitou comentar o anúncio sobre a Antuérpia ou os planos da Magna, e insistiu em que ainda não há decisões firmes.



A decisão da GM de vender à Magna 55% da Opel "é o lançamento de um processo e agora é preciso finalizar os detalhes", acrescentou Laitenberger. A porta-voz da GM Bélgica, Ann Wittemans, disse que "ainda não foi tomada nenhuma decisão" sobre o futuro da unidade da Antuérpia.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Governo do Catar assume participação de 10% na Porsche

Operação dá direito a voto a um grupo estrangeiro pela primeira vez.
Acordo terminará com uma eventual fusão da Porsche com a Volkswagen.

O governo do Catar assumiu uma participação com direito a voto de 10% na montadora alemã de carros de luxo Porsche, informou o grupo automotivo nesta quarta-feira.


A montadora não informou detalhes financeiros sobre a venda, que foi anunciada no mês passado. A operação dá direito a voto a um grupo estrangeiro pela primeira vez.


O Catar deterá a participação via uma série de veículos de investimentos. O acordo é parte de um acordo mais amplo que terminará com uma eventual fusão da Porsche com a Volkswagen, maior montadora da Europa.


A Porsche possui pouco mais da metade da Volkswagen e uma tentativa de tomar controle completo da empresa entrou em colapso depois que dívidas cresceram com a crise do mercado automotivo.

Alemanha encerra programa de bônus com 2 milhões de carros novos


Verba de 5 bilhões de euros terminou nesta quarta-feira (2).
Incentivo promoveu crescimento de 28% nas vendas.

A verba de 5 bilhões de euros destinada pelo governo da Alemanha ao programa de incentivo para troca de carros terminou nesta quarta-feira (2), segundo anunciou a agência que gerencia o programa.

O plano previa um subsídio de 2.500 euros (US$ 3.590) para os donos de carros com mais de nove anos de fabricação jogar fora os seus veículos na troca por um novo. Isto proporcionou um aumento de 28% no cadastro de automóveis no país e a venda de dois milhões de carros novos.


Segundo o governo, o programa permitiu um crescimento de 0,1% da economia alemã no primeiro semestre evitando as previsões de queda de 1% em relação ao ano anterior. Também ajudou a evitar demissões nas montadoras.


Mas a ajuda deve parar por aí. Norbert Roettgen, um aliado da chanceler Angela Merkel, disse que o setor automotivo, que representa cerca de um em cada sete postos de trabalho industrial na Alemanha, não deve esperar mais algum apoio.


"Nós construímos uma ponte (para os fabricantes de automóveis), mas agora eles vão ter de cuidar de si mesmos", disse ele em entrevista. "Não poderíamos continuar assim para sempre. Foi num fardo para as finanças.”



As montadoras buscam agora soluções para evitar prejuízos com o fim do apoio do governo. "A questão decisiva é estabilizar as exportações, porque três dos quatro carros produzidos na Alemanha são vendidos no exterior", disse Matthias Wissmann, presidente da associação dos fabricantes de veículos do país, acrescentando que as exportações caíram apenas 3% em agosto em relação a 2008.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Merkel diz que não há possibilidade de GM manter Opel

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou hoje não ter o menor indício de que a companhia General Motors (GM) pretenda manter o controle sobre a marca automobilística alemã Opel, e advertiu que, nesse caso, não haveria possibilidade de dar ajudas estatais a essa filial.

"Essa solução nunca nos foi colocada", disse Merkel, em declarações à televisão privada "N24", para ratificar que seu governo já se decidiu pelo plano apresentado pelo consórcio canadense-austríaco Magna.

A imprensa americana afirmou estes dias que, por parte da GM, existe o plano de manter o controle sobre a Opel, apesar de que, sobre a mesa, só se trabalha sobre as opções de aquisição apresentadas pela Magna e pelo investidor belga RHJ International.

O governo alemão seria o principal avalista da operação e advertiu que só aceitará o plano da Magna.

Em suas declarações à televisão, Merkel afirma que não pode haver uma ajuda estatal se a GM efetivamente pretendesse ficar com a Opel, já que "o que for financiado a partir da Europa deve ficar na Europa".

"Estamos negociando com a parte americana sobre questões ainda abertas a respeito do conceito da Magna", disse Merkel, que expressou sua confiança de que, após a próxima reunião do conselho da GM, em 8 e 9 de setembro, saia uma decisão.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Redução do IPI ajuda a crescer vendas de carros importados

As vendas subiram 20% em relação ao ano passado.
Redução do IPI para importados com motor até 2.0 ajudou.

As vendas de carros importados subiram 20% em relação ao ano passado. Parte da explicação está na redução do IPI, que também vale para importados com motor até 2.0. Além disso, as montadoras, que não conseguem vender lá fora, perceberam que podem ter um bom mercado aqui.

Os importados de luxo ganharam espaço: design diferenciado, tecnologia, motor potente. Um carro importado é objeto de desejo de muita gente. Ser importado já foi sinônimo de luxo. Mas com a entrada de novas marcas no mercado brasileiro chegaram também modelos mais acessíveis.

“O leque de importados tem para todos os tipos. Carros médios, carros de luxo e alto luxo”, diz o gerente de vendas Alvisi Cozza Neto.

Os mais vendidos são os produzidos no Mercosul e no México. O Brasil mantém um acordo de tarifa de importação zero para automóveis com essas regiões. A crise econômica, que derrubou o comércio de carros ao redor do mundo, tornou o mercado brasileiro ainda mais atraente para as montadoras. Além do benefício da redução do IPI, que vale também para importados com motor até 2.0, várias marcas decidiram fazer promoções. Querem negociar aqui o carro que não conseguem vender lá fora.

“Tem a redução do mercado em países como a Argentina e como o México. Aquela produção de lá que é combinada com as marcas existentes no Brasil têm que ser colocadas em algum lugar”, explica o presidente da Fenabrave Sérgio Reze.

Em uma concessionária, a procura por carros importados aumentou 30% este ano. De cada dez veículos vendidos, dois foram produzidos lá fora. Alguns modelos já estão em falta. Há lista de espera de 40 dias para certo modelo.

Segundo a Fenabrave - entidade que reúne as concessionárias no país - a venda de carros importados subiu mais de 20% no acumulado do ano em relação ao mesmo período de 2008. Já a venda de carros nacionais subiu bem menos proporcionalmente, abaixo de 3%.

Esse aumento na venda dos importados, no entanto, não ameaça a produção nacional, diz o presidente da Fenabrave, Sérgio Reze, já que eles representam uma fatia pequena do mercado.

A indústria nacional concentra as vendas nos carros populares e médios. Os importados encontram um bom nicho de mercado no segmento de luxo.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

GM faz novo acordo para venda da Saab

Empresa sueca Koenigsegg tem interesse em controlar a marca.
Negócio só poderá ser fechado com aprovação da Comissão Europeia.

A General Motors anunciou nesta terça-feira (18) que chegou a um novo acordo para vender a marca sueca Saab para a empresa especializada na produção de carros esportivos Koenigsegg, também da Suécia. Em junho, as empresas já haviam assinado um outro acordo prévio, mas o negócio ainda não foi fechado porque a GM espera ainda por uma avaliação do Banco de Investimento Europeu e das garantias do governo sueco.

Carl-Peter Forster, presidente da GM Europa, disse que "este acordo prévio é um passo importante a caminho de um acordo final". O Ministério do Desenvolvimento da Suécia, no entanto, afirma que ainda existem detalhes que precisam ser resolvidos, como uma maior participação de capital privado da Koenigsegg no negócio. "É preciso ainda uma aprovação da Comissão Europeia", diz Joran Hagglund, representante do ministério.

Como parte da proposta, GM e Saab compartilhariam tecnologia e serviço durante um período de tempo a ser definido.

A GM esperava um investimento de US$ 600 milhões do banco europeu, mas segundo o jornal sueco "Dagens Industri", especializado em economia, a Koenigsegg precisaria de mais US$ 412 milhões para fechar a compra.

(G1)

Catar obtém 17% de participação no Grupo Volkswagen, diz revista

Governo do país tem interesse em controlar ações da Porsche.
Porsche e a Volkswagen se recusaram a comentar o assunto.

O governo do Catar pagou à Porsche cerca de 80 euros por ação ordinária da Volkswagen em um acordo recentemente anunciado que dará ao país do Golfo Pérsico uma participação com direito a voto de 17% na maior montadora de veículos da Europa. A informação foi publicada por uma revista alemã que citou fontes próximas da Porsche.

Às 9h35 (horário de Brasília), as ações ordinárias da Volkswagen desabavam 18,3%, cotadas a 138,65 euros, mas ainda estavam quase duas vezes mais caras que o preço de compra

comunicado.

A Manager Magazin citou nesta quarta-feira fontes dizendo que o Catar também comprou da Porsche opções sobre 50% das ações preferenciais da Volkswagen por 63 euros cada.

As ações preferenciais da Volkswagen tinham alta de 6,2%, negociadas a 63,2 euros. Os papéis da Porsche subiam 2,24%, para 53,42 euros.

A Porsche e a Volkswagen se recusaram a comentar o assunto, enquanto representantes do Catar não estavam imediatamente disponíveis. A Porsche informou na semana passada que estava vendendo ativos avaliados em bilhões de euros para o Catar em uma medida para fortalecer suas finanças.

(G1)

Programa de Obama faz GM crescer em vendas e voltar a contratar

Desempenho melhorou com incentivo federal aos consumidores.
Empresa vai readmitir 1,35 mil trabalhadores.

A General Motors, que este ano se declarou em concordata nos Estados Unidos, começou a readmitir funcionários demitidos diante de um aumento das vendas. "Aumentamos a atividade", disse o vice-presidente da empresa, Mark LaNeve, em entrevista coletiva em Detroit (Michigan), principal centro de operações da empresa.

A GM anunciou que aumentará a produção durante o segundo semestre do ano, como resultado do aumento das vendas, impulsionado pelo programa "dinheiro por ferro-velho" iniciado pelo Governo do presidente americano, Barack Obama, para reativar a indústria.

O maior fabricante de automóveis nos Estados Unidos readmitirá 1,35 mil trabalhadores e permitirá que outros 10 mil realizem horas extras, acrescentou. Essa recontratação significará a fabricação de 60 mil unidades acima do planejado durante os últimos dois trimestres do ano, disseram fontes da empresa.

LaNeve disse que a maioria dos empregados readmitidos será alocada à unidade de Lordstown, em Ohio. Os outros se juntarão ao atual pessoal da fábrica de Ontário (Canadá).

O executivo disse que a produção da GM aumentará em 35% durante o terceiro trimestre em relação aos três meses anteriores. Afirmou que "o quarto trimestre será agora pelo menos 20% superior (em produção) ao terceiro trimestre, o que marca uma tendência muito positiva".

"É gratificante comprovar que está se acelerando a demanda por nossos produtos", disse LaNeve.

Tim Lee, vice-presidente da GM para fabricação e assuntos trabalhistas, disse que a empresa buscará "máxima flexibilidade para manter a produção de acordo com a demanda".

(G1)

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Indústria automobilística aposta no crédito para crescer sem desconto do IPI

Economistas apostam na superação da crise em 2010 e na volta do crédito.
Fim do desconto do IPI deverá promover queda nas vendas.

A proximidade do encerramento do ano traz uma dúvida comum entre as empresas do setor automobilístico: será a hora de se preparar para a retomada do mercado? Para os economistas presentes no Seminário Autodata Planejamento 2010, realizado nesta segunda-feira (17), em São Paulo, a resposta é sim. O cenário positivo é traçado pelos especialistas mesmo com o fim da redução do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI).

De acordo com a economista chefe do ING Bank, Zeina Letif, abrir mão do desconto sobre o IPI não vai impactar negativamente o desempenho do próximo ano. “A redução do imposto foi essencial, mas dá para dizer que o pior da crise já passou”, observa a economista, que ressalta como fatores que ajudam neste quadro a pressão cambial forte, que não gerou inflação, e a preservação do salário do trabalhador.

Apesar dos sinais positivos de reação da economia brasileira, o diretor da empresa de consultoria AC Pastore & Associados, Afonso Celso Pastore, acredita que o humor do consumidor será afetado pelo fim do incentivo fiscal em um primeiro momento. “A redução do IPI vai trazer a retração da demanda. A queda de vendas não será menor a 5%”, alerta o consultor.

Por outro lado, disponibilidade de crédito (para empresas e consumidores) e exportação devem se recuperar no ano que vem, o que ajudará a indústria automobilística nacional a manter o crescimento. “Ainda há espaço para o Brasil crescer em termos de crédito. Exemplo disso, é que o volume das operações de crédito ao sistema financeiro do país dobrou em dois anos”, afirma o vice-presidente de negócios internacionais e atacado do Banco do Brasil, Allan Simões Toledo. Segundo ele, a crise foi de confiança, mas o setor financeiro já se recupera.

Afonso Celso Pastore reforça que as taxas de juros menores permitem crescimento econômico maior e, com o sistema bancário livre da crise, o crédito no país voltará à expansão e passará a corresponder mais de 50% do PIB.


Além da disponibilidade de crédito, a previsão dos especialistas é de que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) chegue a 4,3% em 2010 (ao partir de um patamar considerado baixo em 2009), já a taxa básica de juros (Selic) deverá ficar abaixo de 9% e o spread bancário cairá com a redução do nível de inadimplência.

Em relação às exportações – o grande obstáculo do setor -, Pastore acredita na recuperação da economia mundial e que os países asiáticos, puxados pelo crescimento da China e os Estados Unidos, – que possui agressiva política fiscal e monetária – serão os primeiros a sair da recessão. “A Europa vai sair mais lentamente, porque possui países em diferentes situações como Alemanha e França em recuperação e Itália e Espanha em dificuldade”, afirma o consultor.

O México, na visão dos economistas, irá acompanhar a retomada dos Estados Unidos. Já o chefe do Centro de Crescimento Econômico do IBRE, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Samuel de Abreu Pessoa, acredita que a Argentina deverá crescer no próximo ano e voltará a importar produtos manufaturados do Brasil.

Pelo novo cenário traçado a partir de 2010 pelos especialistas, as chances de o próximo ano trazer novo recorde ao setor são grandes.
(G1)

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Pedágios ficam até 5,19% mais caros em SP

Nova tabela de preços começa a valer a partir de quarta-feira (1º).Algumas tarifas seguirão o índice do IGP-M; outras, o do IPC-A.


As tarifas dos pedágios das rodovias concedidas do Estado de São Paulo terão os valores reajustados a partir desta quarta-feira (1º). O valor para descer para a Baixada Santista pelo Sistema Anchieta-Imigrantes vai subir de R$ 17,00 para R$ 17,80. O pedágio na Rodovia dos Bandeirantes passará dos atuais R$ 5,90 para R$ 6,10 e na Castelo Branco de R$ 10,80 para R$ 11,20.


Para as concessões efetivadas entre 1998 e 2000, com base no IGP-M, o reajuste é de 3,64% (índice acumulado no período de junho de 2008 a maio de 2009), 68% inferior ao do ano passado. Já nos contratos novos, assinados entre 2008 e 2009 - na segunda etapa do Programa de Concessões Rodoviárias - o índice adotado foi o IPC-A, com reajuste de 5,19% (no mesmo período).


Recém-concedida, a D. Pedro I vai passar de R$ 8,60 para R$ 9,00. E o Sistema Ayrton Senna-Carvalho Pinto passará de um total de R$ 16,00 divididos em quatro praças de cobrança para R$ 16,80. Nas três rodovias está prevista a construção de praças de pedágio bidirecionais. No trecho oeste do Rodoanel, a tarifa passa de R$ 1,20 para R$ 1,30, aumento de 8,33%.


Segundo a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), o IPC-A foi adotado nos contratos mais recentes porque é o índice oficial de inflação do país e o que reflete melhor o custo de vida do consumidor. Cada praça de pedágio efetua a cobrança de um determinado trecho (em quilômetros) denominado TCP (Trecho de Cobertura do Pedágio) que é multiplicado pelo valor da tarifa quilométrica. O resultado do cálculo, realizado pela Artesp de acordo com os contratos de concessões, implica no arredondamento dos centavos. Assim, entre 0,01 e 0,049, ajusta-se o valor para baixo; entre 0,05 e 0,09, ajusta-se para cima. Em razão desses arredondamentos, 63% das praças de pedágio sofrerão reajustes efetivos abaixo dos índices aplicados.

domingo, 28 de junho de 2009

Prorrogação do desconto de IPI garantirá empregos, dizem especialistas

Entenda porque o governo deverá estender benefício para veículos novos.
Retomada do crédito e queda da Selic também beneficiam o setor.

O mistério do governo sobre a prorrogação da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para veículos novos mais uma vez gera euforia no mercado. Como aconteceu no final de março — antes de o benefício ser estendido por mais três meses — as concessionárias estão cheias de clientes que temem o fim do desconto, enquanto representantes do setor e consultores insistem no mesmo discurso: continuar com a redução significa manter o nível de emprego na indústria.

Max Mosley afirma que Associação dos Times da F-1 comemorou antes da hora

Dart Vader

Presidente da FIA diz que equipes ‘cometeram o erro de dançar em cima do meu túmulo antes que fosse enterrado’

O presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Max Mosley, garante que poderá se candidatar à reeleição em outubro. Em entrevista ao jornal inglês "Mail on Sunday", Mosley acusa a Associação dos Times da Fórmula 1 (Fota) de considerá-lo fora do cargo antes da hora.

- Cometeram o erro de dançar em cima do meu túmulo antes que fosse enterrado. Agora estou sob pressão de todos os lados para me candidatar à reeleição – comentou.

Mosley se referiu às declarações do presidente de Ferrari e da Fota, Luca di Montezemolo, e seus aliados, citadas pela imprensa europeia, de que "o ditador tinha sido derrubado".

As informações foram publicadas na quinta-feira, um dia após a FIA e Fota chegarem a um acordo de paz para evitar a criação de uma categoria paralela. Na última sexta-feira, Mosley escreveu cartas aos inegrantes da FIA e do Conselho Mundial de Esporte a Motor para explicar a situação.

O presidente da federação disse hoje que estava disposto a não tentar a reeleição por algo "um pouco maior".

- Realmente quero parar. Mas se tivermos um grande conflito com a indústria automobilística (as montadoras de carros) e com as equipes da Fota, então não sairei. Farei o que for preciso (para resolver a situação com os times da Fórmula 1) , não é da minha natureza fugir de uma briga – completou.

Reforma no autódromo de Donington Park começa no dia 1º de Agosto

Circuito deve receber GP da Inglaterra na próxima temporada

A reconstrução de Donington Park, circuito inglês no qual o GP da Inglaterra deverá ser realizado a partir de 2010, vai começar no dia 1º de agosto. A informação foi dada por Simon Gillet, responsável pelo autódromo britânico, que assinou na semana passada uma série de documentos autorizando o começo das obras.

- Vamos resolver a fundação (das obras) até o fim de julho, para então começar a colocar as máquinas para funcionar em 1º de agosto – declarou em entrevista à rede de televisão “Eurosport”.

O dirigente inglês também fez questão de elogiar a equipe que trabalha na administração do circuito e explicou que as obras só poderão começar em agosto em virtude das provas de Superbike e de MotoGP.

- (Nós da administração do autódromo) Temos trabalhado muito até este ponto. Tem sido como levar água morro acima com um garfo, mas a equipe é fantástica e temos uma opinião clara e o apoio das pessoas certas. O pit (lane) e o paddock (parte atrás dos boxes) já foram reformados durante o inverno (no começo do ano na Inglaterra). Esperávamos começar mais cedo, mas, como disse, tivemos problemas, que nos atrasaram – afirmou.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Neblina requer iluminação em dia

Nessa época do ano é comum a formação de neblina, fenômeno que reduz a visibilidade principalmente à noite e no início da manhã. Combinada ao descuido com o sistema de iluminação do veículo, aumenta o risco de acidentes de trânsito.

Deixar as luzes do carro em dia custa pouco. Em geral, a regulagem de faróis nem costuma ser cobrada nas oficinas. "O preço de uma lâmpada, tanto para o farol convencional quanto para o auxiliar, vai de R$ 12 a R$ 25", diz o dono do Auto Elétrico Imirim (2256-8633), na zona norte, Moisés Cipriano Sobrinho. Na zona oeste, no Auto Elétrico Moura (3672-2924), cobram-se entre R$ 20 e R$ 30. Já no Auto Elétrico Juscelino (3045-1781), na zona sul, custam de R$ 15 a R$ 90.


De acordo com o coordenador de Desenvolvimento de Produtos da Nino Faróis, Lázaro Moraes, é preciso revisar o sistema uma vez por ano. "Mesmo que a lâmpada não esteja queimada, se o filamento estiver envelhecido ou deformado é preciso trocá-la. Com o tempo ela vai perdendo o poder de iluminação."


Para quem viaja muito, Moraes lembra que é preciso ter cuidado com os vidros ou lentes plásticas dos faróis. "Se a abrasão danificar esses componentes, a iluminação poderá ofuscar a visão de quem segue no sentido oposto. Para modelos mais antigos é fácil encontrar essas lentes no mercado de reposição. Nos carros novos, em geral é preciso substituir todo o conjunto."


Segundo o especialista, durante a manutenção o ideal é seguir o que determina o manual do proprietário. "Existe um tipo de lâmpada para cada veículo. Em alguns modelos, é possível regular o foco do farol de forma elétrica (por um controle no painel) ou manual (na própria peça). Isso porque, quando se coloca muito peso no porta-malas, a frente do carro fica mais alta e o facho de luz pode atrapalhar outros motoristas."


FARÓIS AUXILIARES

Um erro comum é chamar todos os faróis auxiliares de faróis de milha. Na verdade, existem os de neblina, que espalham a luz para os lados, e os de longo alcance, que projetam a iluminação para frente - estes são os de milha.


"A diferença entre eles é o projeto do refletor e da lente", explica o consultor em fotometria e membro do Comitê Brasileiro Automotivo, Claudiney Fabocci. "Os de neblina devem ficar acesos juntamente com as lanternas ou faróis baixos. Como o facho de luz é largo e projetado por baixo da neblina, o motorista vê a pista iluminada. Se o alto for utilizado ao mesmo tempo, a névoa refletirá a luz e prejudicará a visão."


Com relação aos de longo alcance, Fabocci afirma que só podem ser utilizados quando o farol alto estiver ligado. "Eles têm facho estreito, de alta intensidade, e são regulados paralelamente ao solo. Por isso, só devem ser ligados em rodovias."

(Estado de São Paulo)

Excluída, Williams espera voltar a fazer parte da Associação dos Times da F-1


Equipe foi afastada por ter confirmado inscrição na FIA antes das demais

Devido ao acordo entre a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e a Associação dos Times da Fórmula 1 (Fota), a paz reina novamente no esporte. Agora, a Williams espera poder voltar a integrar a organização das equipes.

A escuderia inglesa e a Force India foram suspensas pela diretoria da Fota depois de confirmarem a participação no mundial de 2010 junto à FIA antes dos demais integrantes da Associação.

- Espero que isso aconteça (a Williams ser reintegrada à Fota). Acredito que é algo que todos nós (da escuderia) gostaríamos de ver. É essencial que, junto com a Force Índia e as novas equipes, nos tornemos parte das discussões sobre o futuro (da Fórmula 1) – declarou o presidente da equipe Williams, Adam Parr, à “Press Association”.

O britânico também comemorou o fim do conflito entre a FIA e os times depois de quase dois meses de disputas e discussões.

- No fim de semana (do GP da Inglaterra, em Silverstone) eu comentei a posição da Williams, de que estávamos otimistas de que haveria uma solução, e das nossas dúvidas quanto ao surgimento de um campeonato paralelo. Ficamos extremamente satisfeitos com o desfecho do acordo que decidiu que haverá uma (única) Fórmula 1 no ano que vem, com todas as equipes atuais e com três novos times – disse.

O acordo entre o presidente da FIA, Max Mosley, e as escuderias só foi possível depois de negociações sobre a administração da entidade e do compromisso das equipes em diminuir os gastos, mesmo que de forma mais gradativa. Apesar disso, Parr acredita que algumas coisas ainda precisam ser esclarecidas.

- Os times, a FIA e a FOM (Formula One Management, empresa de Bernie Ecclestone que detém os direitos comerciais da categoria) se comprometeram com o programa de diminuição de gastos. Isso significa que o esporte está mais forte e mais preparado para o futuro, do que nos últimos anos. Sobre a redução dos custos, entendemos que o acordo foi feito, mas acreditamos que há um monte de detalhes para serem estipulados tais quais como isto será alcançado e qual é meta atual – afirmou.

terça-feira, 23 de junho de 2009

EUA liberam US$ 8 bilhões para Ford e Nissan desenvolverem carros elétricos

Governo vai subsidiar o desenvolvimento de veículos mais eficientes.
Tesla Motors também vai receber parte da verba.

O Governo dos Estados Unidos anunciou nesta terça-feira (23) um empréstimo total de US$ 8 bilhões às montadoras Ford e Nissan para o desenvolvimento de veículos com consumo mais eficiente e menos poluentes. A Ford vai receber US$ 5,9 bilhões deste montante e a Nissan terá US$ 1,6 bilhão para o desenvolvimento de projetos.

Outros US$ 465 milhões serão destinados à empresa Tesla Motors, especializada na produção de veículos elétricos.


O anúncio foi feito pelo Departamento de Energia do governo norte-americano. A Ford vai usar a verba para desenvolver 13 modelos nas fábricas de Michigan, Ohio, Illinois, Kentucky e Missouri.

A filial norte-americana da Nissan vai usar seu dfinheiro na fábrica do Tennesse para construir carros elétricos e desenvolver uma linha de produção de baterias elétricas.

Já a Tesla terá de desenvolver carros elétricos na Califórnia, segundo anunciou o secretário de Energia Steven Chu.

(Reuters)


sexta-feira, 19 de junho de 2009

Brasil vai sobretaxar importação de pneu radial da China

Investigação de dumping concluiu que houve dano à indústria doméstica.
Também foi constatado que o preço médio do produto doméstico caiu.

O Brasil vai sobretaxar, por cinco anos, as importações brasileiras da China de pneus de construção radial, de aros 20,22 e 22,5, para uso em ônibus e caminhões. O valor fixado pela Câmara de Comércio Exterior (Camex) será diferente para cada fabricante, conforme lista publicada nesta quinta-feira (18) no Diário Oficial da União (D.O.U.), e vai variar de US$ 1,12 a US$ 2,59 por quilo. A decisão já está em vigor.


A investigação por prática desleal de comércio (dumping) foi iniciada em maio do ano passado a pedido da Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (Anip). Em dezembro de 2008, a Camex aplicou direito antidumping provisório por seis meses com uma alíquota de US$ 1,33 por quilo de pneus vindos da China.


A investigação concluiu que houve dano à indústria doméstica no período de investigação de dumping. "Constatou-se, assim, que as importações chinesas, provocaram o deslocamento da parcela de mercado ocupada pela indústria doméstica", afirma o relatório publicado nesta quinta-feira no D.O.U.

Também foi constatado que o preço médio do produto doméstico caiu, enquanto houve expansão das exportações da China para o Brasil. "A indústria doméstica, buscando evitar perda mais acentuada de sua participação no mercado brasileiro, deprimiu seus preços, o que gerou efeitos negativos em suas margens de lucratividade e na relação preço/custo", diz ainda o relatório.

(G1)

Chrysler vai retomar produção em 7 fábricas

Montadora em concordafa fez aliança global com a Fiat.
Produção será retomada no final deste mês.

A Chrysler afirmou nesta quarta-feira (17) que irá retomar a produção em sete fábricas na América do Norte até o final do mês. É a primeira retomada em grande escala da produção da montadora desde que a Fiat, junto com outras empresas, comprou ações da Chrysler no começo de junho.


A Chrysler informou que quatro das fábricas estão nos Estados Unidos, sendo duas do Estado do Michigan, uma em Ohio, e uma no Missouri. Duas outras fábricas estão em Ontario, no Canadá, e uma em Toluca, no México.


As fábricas devem recomeçar a produção na semana do dia 29 de junho, afirmou a Chrysler. A montadora havia suspendido sua produção durante a época em que estava em concordata.


O governo do presidente norte-americano, Barack Obama, dirigiu o processo acelerado de reestruturação da Chrysler, que entrou com o pedido de concordata no dia 30 de abril.


A montadora italiana Fiat liderou o grupo de empresas que comprou a maior parte dos ativos da Chrysler. Entre os acionistas da nova Chrysler também estão fundo de assistência médica ligado ao sindicato, que mantém uma grande parte dos ativos, e os governos dos EUA e do Canadá, que possuem participação menor.


Fábricas que fornecem peças à linha de produção, também voltarão a operar. A linha de produção da Chrysler em Conner Avenue, que fabrica o modelo Dodge Viper, retomou sua produção no último dia 15.


Mas as fábricas voltarão a ser fechadas logo, durante as férias de duas semanas pré-anunciadas em meados de julho, afirmou a Chrysler.

Bosch anuncia 900 demissões na fábrica de Curitiba


Empresa afirma que foi afetada pela queda das exportações.
Outros 3.000 funcionários ficarão em licença remunerada.

Afetada pela retração do mercado automotivo mundial de caminhões, a unidade da Bosch em Curitiba anunciou, nesta quinta-feira (18), 900 demissões. A planta é responsável pela fabricação de sistemas diesel, destinados à produção de veículos comerciais.

Em nota, a empresa afirma que a “ação foi necessária para garantir a competitividade da fábrica de Curitiba em longo prazo”. Para a redução dos níveis de estoque, cerca de 3.000 funcionários da unidade ficarão em licença remunerada até o dia 28 deste mês. Antes das demissões, a Bosch de Curitba contava com 4.000 funcionários.

"Oferecemos aos demitidos a extensão do plano médico por seis meses e encaminhamos os currículos desses funcionários para outras empresas da região, por se tratar de profissionais altamente qualificados", explica o gerente de Recursos Humanos da Bosch Curitiba, Duilo Damaso.

Segundo Damaso, há seis meses a empresa tem conversado com o Sindicato dos Metalúrgicos da região de Curitiba para encontrar caminhos alternativos que evitassem as demissões.


Segundo a Bosch, desde o último trimestre de 2008, a empresa tem registrado significativa queda no número de pedidos dos clientes para as tecnologias automotivas produzidas nesta fábrica, quando comparado ao inicialmente planejado. Por esta razão, a Bosch teve que reduzir fortemente seu volume de produção, principalmente destinado à exportação.

De acordo com Duilo Damaso, 60% da produção da unidade de Curitba é voltada para o mercado externo, entretanto, o volume de negócios tem caído significativamente. No caso do mercado brasileiro, a Bosch sentiu queda de 30% das vendas em relação ao volume comercializado no ano passado.

Para minimizar o impacto do prejuízo, a empresa também irá suspender os investimentos previstos antes da crise para o aumento de produção.

Mercado de caminhões


A crise no mercado de caminhões é mundial. Com a recessão econômica em diversos países, a demanda por veículos comerciais caiu, o que limitou a atuação de montadoras e fabricantes de autopeças em todo o mundo. Com o aumento da concorrência, as empresas precisam enxugar gastos e reduzir a produção para, assim, manter a competitividade no mercado.

"Caminhão é um investimento, ou seja, significa uma série de planejamentos e avaliações. A compra é bem diferente em relação a de um automóvel", explica o gerente da Bosch.

No caso do mercado nacional de caminhões, a situação não é diferente. Setores da economia como mineração, agricultura, construção civil e indústria em geral enfrentam reflexos da crise e limitam os investimentos em transporte.

Para ajudar a reverter a crise no segmento de caminhões no país, o Governo Federal já desenvolve um programa específico para estimular a venda de veículos comerciais, especialmente aos trabalhadores autônomos. De acordo com o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Miguel Jorge, a renovação de frota de caminhões terá de ser lenta e gradativa devido ao alto custo do produto.

(G1)

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Chevrolet inicia venda de veículo através de leilão na internet

A Chevrolet acaba de criar um canal de vendas com os consumidores habituados com o universo da Internet. Trata-se do Mega Lance Chevrolet, nova ação de varejo que dará a oportunidade ao público consumidor de adquirir um automóvel Chevrolet zero-quilômetro a um preço abaixo do mercado. O leilão começa nesta-feira terça-feira (16/06) e haverá novas edições até o início de julho.

Esta não é a primeira vez que a Chevrolet navega pela maior rede de computadores do mundo, para comercializar seus veículos. “Temos feito ações totalmente integradas ao meio digital e, a exemplo do sucesso da campanha digital Prisma Jump, a primeira 100% digital do Brasil, lançamos agora o Mega Lance Chevrolet”, observa Marcos Munhoz, diretor de Marketing e Vendas da Chevrolet.

No mercado brasileiro, onde atualmente existem 62,3 milhões de usuários na Internet e 12,9 milhões de computadores vendidos em 2008. “Pela primeira vez na história do País, a venda de computadores ultrapassou a venda de televisores. Além disso, o faturamento do e-commerce cresceu 30% neste mesmo ano, para R$ 8,2 bilhões”, exemplifica o executivo.

Serão três carros por região em cada uma das edições do leilão

Estarão disponíveis para lances três carros para cada região do País, que foram divididas em nove pela Chevrolet. Portanto, o consumidor de uma determinada região “concorre” apenas com as pessoas que residem nestes locais.

As regiões são as seguintes: 1- São Paulo (capital) e cidades da Baixada Santista; 2 – Minas Gerais; 3 – Rio Grande do Sul; 4- Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí; 5- cidades do interior de São Paulo; 6- Rio de Janeiro e Espírito Santo; 7- Paraná e Santa Catarina; 8- Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Maranhão, Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Amapá e Pará; 9- Bahia, Sergipe e Alagoas.

Os lances poderão ser dados nos três carros, por três dias consecutivos, em cada uma das edições. A primeira começou hoje (desde às 00h10) e termina no dia 18 de junho de 2009, com horários das ‘marteladas’ previstas para 10 horas, 15 horas e 21 horas – um horário diferente para cada um dos três carros. Cada carro terá seu horário específico para encerrar os lances.

O que é e como funciona o Mega Lance Chevrolet

Para dar os lances, a pessoa deve fazer o cadastro no www.megalancechevrolet.com.br, informando o CEP da cidade onde reside.

O carro terá como preço inicial "zero real" (R$ 0,00). Basta clicar, então, no botão ‘cobrir’ e o lance terá automaticamente o valor de dez reais (R$10,00) acima do último lance dado. O consumidor pode dar quantos lances quiser, mas não pode cobrir o próprio lance.

A partir do horário de término do Mega Lance Chevrolet, o mesmo poderá ser prorrogado de 1 em 1 minuto enquanto houver lances. A primeira prorrogação ocorrerá se houver lance no minuto que antecede o horário de encerramento.

Um exemplo: se o encerramento é às 10 horas, o cronometro vai regredindo desde o início do Mega Lance Chevrolet, no ultimo minuto, ou seja, 00:01:00 a tela irá mudar de cor, e o cronometro continuará a regredir.

Ocorrendo um lance antes do cronômetro atingir 00:00:00, ele voltará a mostrar o valor 00:01:00 no momento do lance e, continuará a regredir. Esta situação se repetirá enquanto houver lances antes do cronômetro zerar. Quando ele atingir o valor 00:00:00 o leilão será finalizado. Dessa forma, o Mega Lance Chevrolet poderá finalizar após o horário previsto de encerramento. E não existe limite para a quantidade de prorrogações.

Será considerado vencedor do Mega Lance Chevrolet o participante que tiver oferecido o último lance válido. Essa informação estará disponível no site assim que o leilão terminar.

“Esta ação é uma forma diferenciada de atuar no mercado, totalmente voltada ao meio digital, acompanhando os desejos e hábitos dos clientes da Chevrolet”, conclui Marcos Munhoz.

Honda convoca proprietários do modelo Biz 125 2009 para recall

A Moto Honda da Amazônia convoca os proprietários do modelo Biz 125 2009, com os chassis abaixo relacionados, a comparecerem a uma concessionária Honda a partir de 25 de maio para a substituição do cabo do acelerador de sua motocicleta.

Algumas unidades, sob condições específicas de uso, podem apresentar oxidação acentuada neste componente, dificultando a desaceleração do motor, podendo levar à perda do controle da motocicleta e consequente queda.

Para a comodidade de seus clientes e visando ao pronto atendimento de todos, a Honda solicita prévio agendamento com a concessionária de preferência do proprietário. Os endereços e telefones podem ser obtidos pelo telefone 0800 77 05 125 ou no site www.honda.com.br.

Este campanha se estenderá até 25 de novembro de 2009.

Versão KS: chassis de 9C2JC42109R000006 a 9C2JC42109R101500

Versão ES: chassis de 9C2JC42209R000016 a 9C2JC42209R105000

Versão MAIS (+): chassis de 9C2JC42309R000012 a 9C2JC42309R101250

Ministro da Justiça rejeita mudanças na Lei Seca e comemora resultados

Segundo ele, governo não pensa em obrigar motoristas a usar o bafômetro.
Contudo, Tarso Genro fala em aumento do valor das multas.

O ministro da Justiça, Tarso Genro, disse nesta quarta-feira (17), pouco antes de participar de seminário sobre anistia na Câmara dos Deputados, que o governo está satisfeito com os resultados da “Lei Seca”, que completa um ano no próximo dia 20. Ele descartou possíveis mudanças na legislação como criar um número mínimo de fiscalizações para cada região do país ou obrigar os motoristas a fazer o teste do bafômetro.

“A lei tem que ser compreendida como o início de uma grande mudança e não como a finalização. Essa mudança que a lei determina tem que ser acompanhada de uma fiscalização muito rígida que agora que está começando a ser feita e também precisa de uma mudança cultural. Então, a lei sinaliza um futuro. Agora, que já melhorou isso é absolutamente visível e os dados divulgados pelas cidades mostram isso”, avaliou.

O ministro também rejeitou mudanças na lei, como a obrigatoriedade do teste do bafômetro. “Isso [obrigar o teste do bafômetro] não é possível fazer. É tecnicamente impossível. Seria um ato fascista do Estado. Agora, a pessoa que se recusa a usar o bafômetro ela sofre uma sanção, ela pode ser multada. Por enquanto, não precisa de ajuste na lei. Se tiver algum ajuste é para tornar mais rigorosas as multas. Mas ainda não estamos pensando nisso”, explicou.

Tarso disse que a mudança provocada pela lei é mais visível nos estados que receberam os bafômetros logo após a sanção da lei e que alguns estados demoraram para adaptar seus regimes de fiscalização.

“[O resultado] é diferente de região pra região. Se pegar os estados que receberem os bafômetros assim que eles chegaram, ali a queda do número de mortes e acidentes é muito grande. No Rio de Janeiro, por exemplo, o número de mortes caiu 24%. Outros [estados] recém pegaram os bafômetros até porque não estavam preparados para utilizá-los”, disse.

Questionados sobre quais estados não haviam se equipado com os bafômetros, o ministro evitou nomeá-los, mas afirmou que agora todos estão equipados. “Eu prefiro não dizer quais. Eles não pegaram os bafômetros porque não estavam atentos e quando começaram a sair as notícias que os bafômetros estavam estocados os estados foram lá e buscaram”, revelou o Tarso.

O ministro disse que essa demora provocou um afrouxamento da fiscalização em todo país. “Houve um afrouxo e depois houve um arrocho na medida que os estados foram recolhendo os bafômetros para fazer a fiscalização. Isso aí diminuiu as mortes e aumentou o número de prisões em flagrante e também aumentou o número de autuações”, afirmou.

(G1)

terça-feira, 16 de junho de 2009

Redução do IPI para carros divide governo e indústria

Governo ainda não decidiu por nova prorrogação do benefício.
Muitos consumidores aproveitam desconto antes do possível fim.

O fim da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) já virou novela. Os sinais sobre a prorrogação do IPI têm sido bastante contraditórios. Em uma semana a sensação é que a redução será mantida. Em outra, quando os números da economia melhoram, parece que o imposto volta mesmo no 1º dia de julho. A redução do IPI dos carros começou em dezembro do ano passado e já foi renovada uma vez.

(G1)

GM finaliza venda da Saab para Koenigsegg

Acordo entre montadoras foi assinado na manhã desta terça-feira

Após muitas negociações, a venda da Saab à montadora de supercarros Koenigsegg foi concretizada na manhã desta terça-feira, com a assinatura de um memorando que legitima a transação por ambas as partes. O acordo, que deve ser completado no início do terceiro trimestre, prevê um fundo de US$ 600 milhões (cerca de R$ 1,1 bilhão) do Banco de Investimento Europeu, que será garantido pelo governo sueco.

A GM, por sua vez, comprometeu-se a apoiar a Koenigsegg investindo na produção de novos veículos que já estão na fase final de produção e concedendo plataformas e motores para a Saab. A duração dessa ajuda não foi divulgada, mas as expectativas apontam entre cinco e seis anos.

Dentre os novos modelos a serem produzidos estão a nova geração do Saab 9-5, a ser fabricada em Trollhättan, na Suécia, e o crossover 9-4X, que devem manter as plataformas atuais. A grande pergunta é em relação à próxima geração do 9-3, cuja nova plataforma pode ser a Delta II da GM.

As diferenças estruturais entre Saab e Koenigsegg são gigantescas: enquanto a segunda possui 50 funcionários e fabricou apenas 18 carros no último ano, a primeira emprega 3 400 pessoas e comercializou cerca de 100 000 veículos em 2008.

Mikael Wickelgren, especialista do mercado automotivo da Universidade de Skovde, dá seu parecer sobre o assunto: “Não há economias de escala entre Saab e Koenigsegg. Isso envolve uma constelação de compradores que provavelmente têm interesses diferentes na GM. A lógica da operação será única e especial, caso contrário, não consigo entender esse acordo".


(Terra)

Chrysler retoma produção do Viper nos EUA


Segundo porta-voz da marca, atividades serão retomadas nesta semana


Citando o porta-voz da Chrysler, Max Gates, o Wall Street Journal informa que a fabricante, em concordata desde 30 de abril, retomará a produção de suas fábricas nos Estados Unidos iniciando pela unidade de Conner Avenue, em Michigan, onde é produzido o Dodge Viper SRT10 em suas versões de rua e competição.

A planta emprega 115 pessoas e é destinada somente à produção do modelo. Ainda de acordo com Gates, as demais unidades fabris da marca deverão voltar a funcionar em menos de uma semana. Apesar disso, a tradicional “parada de verão” naquele país, programada para ocorrer entre 13 e 20 de julho, deverá ser mantida.

A retomada na produção do Viper, no entanto, não significa que a Chrysler abandonou os planos de vender os direitos sobre o carro ou encerrar a linha de montagem do modelo até o fim deste ano.

(Terra)

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Fiat finaliza aliança global com a Chrysler

A nova companhia atuará com o nome de Chrysler Group LLC.
Modelos da Fiat serão vendidos pela montadora americana nos EUA.

A venda da montadora americana Chrysler para um grupo liderado pela Fiat foi finalizada por volta das 9h, horário de Brasília, desta quarta-feira (10).

O acordo foi fechado um dia após o aval da Suprema Corte dos Estados Unidos que rejeitou o pedido de três fundos de pensão do estado de Indiana e permitiu a venda da montadora americana.

A conclusão da operação resultou na criação de uma nova companhia, que atuará com o nome de Chrysler Group LLC e começa a operar imediatamente.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Lula se diz favorável a corte permanente do IPI para carros


Ele disse que Dilma, se eleita, não abandonará pilares do governo atual.
Presidente concedeu entrevista exclusiva à agência de notícias Reuters.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer uma política permanente de redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para a indústria automotiva até que a crise financeira internacional seja superada.

"A minha posição é de que nós precisamos transformar isso em uma política permanente até você ter sinais totais de que a crise está debelada", disse o presidente em entrevista exclusiva à Reuters nesta quarta-feira (10).

Ele afirmou ainda não ter conversado com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, sobre o assunto, mas considera a medida um importante antídoto contra os efeitos da crise no Brasil.

Mantega verbalizou no início desta semana que não tinha nenhuma intenção de prorrogar pela segunda vez a redução do imposto. O alívio fiscal entrou em vigor em dezembro, com prazo inicial até março, quando foi estendido até o meio do ano.

Sobre os impactos da crise, Lula disse que seu governo está preparado para tomar medidas adicionais de estímulo à economia.

No âmbito político, afirmou que, se eleita, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata do governo, deve manter os pilares macroeconômicos adotados desde sua posse, em 2003. "A seriedade da política econômica vai continuar."

Juros

No dia em que o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciará a nova Selic, Lula defendeu com vigor a autonomia do Banco Central na definição do juro básico da economia. "Não quero que número seja político", enfatizou.

Perto de terminar seu segundo mandato como um dos presidentes mais populares da história, Lula admitiu que deixará o governo com a frustração de não ter implementado uma lei que desburocratize a execução de obras de infraestrutura.

"Nós fizemos tanta exigência nos marcos regulatórios que hoje eu acho que deveria, logo no primeiro ano (de governo), se soubesse que era assim, ter feito um projeto de lei para facilitar as coisas."

A um ano e meio das eleições, o presidente revelou o desejo de deixar para o sucessor um "novo PAC" (Programa de Aceleração do Crescimento). "No ano que vem, eu pretendo apresentar o novo PAC", afirmou, prometendo deixar a herança com recursos previstos no Orçamento de 2011.

Comércio em real

Às vésperas de uma viagem internacional para encontrar os chefes de Estado de China, Índia e Rússia, os chamados Brics, Lula disse que tem interesse em implementar trocas comerciais em moeda local não só com essas mas com outras economias do mundo, em substituição ao dólar.

"O que queremos fazer com alguns parceiros comerciais, inclusive com o próprio Estados Unidos, é fazer com que a nossa moeda possa ser utilizada pelos nossos empresários. Ter que comprar dólar para pagar um produto que comprou dos Estados Unidos, eu quero pagar em real sem precisar comprar dólar", comentou.

Apesar da importância e da repercussão que o mero debate de uma alternativa ao dólar entre os emergentes gera, Lula afirmou: "Isso não é uma coisa que você faz um acordo e começa a funcionar no dia seguinte."

Sobre os Brics - conceito formulado no mercado financeiro para descrever as principais economias emergentes -, o presidente defendeu uma ação conjunta das quatro nações para reformar o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas e outros organismos multilaterais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Mudou a geografia do mundo", ressaltou. "Os países ricos não são mais os únicos que decidem a capacidade produtiva e de consumo do mundo."

(G1)

terça-feira, 9 de junho de 2009

Fiat mantém a proposta de compra da Chrysler


Negócio foi suspenso por decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos.
Pedido havia sido feito por fundos de pensão de Indiana.

A Fiat mantém a proposta de compra da Chrysler, apesar da decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos de congelar a venda da montadora americana, anunciou o grupo italiano.

"A Fiat está comprometida, inclusive depois de 15 junho", afirmou um porta-voz da empresa, ao comentar a data a partir da qual a montadora italiana pode se retirar do processo, caso o plano de venda não seja validado.

A Suprema Corte americana decidiu na segunda-feira (8) adiar por tempo indefinido a compra dos principais ativos da Chrysler, que pediu concordata no fim de abril, por um consórcio liderado pela Fiat, depois de uma apelação apresentada por fundos de pensão do estado de Indiana.

Para Massa, briga Fota x FIA é um pesadelo

Brasileiro da Ferrari ratifica apoio dos pilotos às equipes

O brasileiro Felipe Massa lamentou a guerra declarada entre a Associação das Equipes (Fota) e a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) por causa da implantação de um teto orçamentário de 40 milhões de libras (cerca de R$ 130 milhões) na próxima temporada da Fórmula 1. Para o piloto da Ferrari, as equipes deveriam ter mais tempo para reduzir gradualmente os gastos.

- Nos como pilotos quereremos correr pelos melhores times do mundo e contra os melhores adversários. Se fizermos o que o senhor (Max) Mosley (presidente da FIA) quer, não teremos isso. Estaremos em outro nível, muito mais baixo. É por isso que estamos apoiando a Fota. Essa guerra é um pesadelo e queremos saber o que está acontecendo pois queremos dar nossas opiniões - falou Massa.

Oito das dez equipes da categoria, exceto Force India e Williams, fizeram suas inscrições para a próxima temporada de forma condicional, ou seja, só correrão se o teto não for implantado. Outras dez escuderias que não correm atualmente fizeram suas inscrições e a FIA divulgará as 13 participantes na próxima sexta-feira.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Venda de carros novos cai quase 25% em maio no Reino Unido

No total, 134.858 automóveis foram emplacados no país.
Segundo a SMMT, é o 12º mês consecutivo de retração.

A venda de carros novos caiu em maio 24,8% no Reino Unido, em comparação com o mesmo período do ano anterior. O dado foi divulgado, nesta quinta-feira (4), pela Sociedade de Comerciantes e Fabricantes Automobilísticos (SMMT, na sigla em inglês). No total, 134.858 automóveis foram emplacados no país em maio. Segundo a SMMT, trata-se do 12º mês consecutivo de queda das vendas.

Além disso, os emplacamentos caíram 27,9% durante os primeiros cinco meses de 2009, para 289.598 unidades, em comparação com o mesmo lance de 2008. "Embora a confiança dos consumidores melhore, a indústria automobilística do Reino Unido ainda enfrenta um clima econômico difícil", disse o diretor da SMMT, Paul Everitt.

A sociedade também assinalou que ainda é cedo para determinar os efeitos de uma iniciativa do governo para estimular o setor, com incentivo de 2.000 libras (2.300 euros) para quem vender um veículo com mais de dez anos de fabricação e comprar um novo.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

General Motors confirma venda da Hummer para grupo chinês


Negócio deve ser concluído até o fim do terceiro trimestre deste ano.
'Velha' GM segue em busca de interessados na Saturn, Saab e Pontiac.

A General Motors confirmou, nesta terça-feira (2), que o grupo chinês Sichuan Tengzhong Heavy Industrial Machinery é o comprador da marca Hummer. Os termos definitivos do acordo ainda são negociados.

Tengzhong "comprará os direitos da marca premium Hummer, junto com sua direção executiva e equipe operacional", destaca o comunicado. "Também assumirá os acordos de distribuição sobre a rede de concessionárias da Hummer".

Um dia após pedir concordata, a General Motors havia anunciado a assinatura de um protocolo de acordo com um comprador, não identificado, para vender sua marca Hummer até o final do terceiro trimestre.

A venda será submetida ao juiz de falências e às autoridades de regulação, e deve preservar mais de 3 mil empregos nos Estados Unidos, entre operários, engenheiros e funcionários de concessionárias, destaca a GM.

O acordo prevê que as fábricas da GM seguirão produzindo os veículos Hummer durante um período. Segundo o Wall Street Journal, a GM recebeu ofertas em torno de 5 bilhões de dólares pela Hummer.

A Hummer, que já foi fonte de lucro para o grupo, tornou-se um peso após o aumento dos preços dos combustíveis reduzir a demanda por seus veículos utilitários de alto consumo de gasolina.


Agora, a "velha" GM segue em busca de interessados na Saturn, Saab e Pontiac. A tentativa de livrar-se dessas marcas segue-se ao acordo de princípios fechado pela empresa no fim de semana para vender as unidades europeias Opel e Vauxhall para a fabricante de autopeças canadense Magna International.

A GM também informou que 16 partes já expressaram interesse na Saturn e que está em negociações com os possíveis compradores sobre a continuidade da linha de produtos da marca após a venda. Entre os interessados estão a gigante varejista do setor automotivo Penske Automotive Group e o grupo de private equity Black Oak Partners.

Lançada em 1984 com o objetivo de enfrentar a concorrência de estrangeiros, como a Toyota, a Saturn gerou bastante entusiasmo e gozou de reputação entre clientes de renda elevada, mas nunca apresentou a competitividade que a GM esperava.

A sueca Saab, por sua vez, informou que tem dinheiro suficiente para manter suas operações à tona por várias semanas, graças aos US$ 150 milhões que recebeu da GM em fevereiro. Até meados de maio, a marca sueca ainda possuía US$ 90 milhões desse empréstimo, e disse que não vai receber mais dinheiro da norte-americana concordatária.

"Teremos dinheiro suficiente para pagar salários e fornecedores e manter as operações até que saiamos do processo de reconstrução", disse a porta-voz Gunilla Gustavs. Ainda assim, o diretor financeiro da GM, Ray Young, disse a analistas que a empresa continua negociando a venda da marca com três partes interessadas. Ele acrescentou que o grupo deve dar prosseguimento também ao plano de separar-se da Pontiac. A marca sul-coreana GM Daewoo, porém, deve fazer parte da 'Nova GM' quando o grupo sair da concordata.

Fundada em 1908, a GM, que pediu concordata na segunda-feira (1º), fabrica carros e caminhões e emprega 235 mil pessoas em 34 países. No ano passado, o grupo vendeu 8,35 milhões de veículos em todo o mundo, sob as marcas Buick, Cadillac, Chevrolet, GMC, GM Daewoo, Holden, Hummer, Opel, Pontiac, Saab, Saturn, Vauxhall e Wuling. O maior mercado da montadora são os EUA, seguidos por China e Brasil.

Consumidor deve estar atento a efeitos da GM no Brasil, diz ProTeste

Entidade de defesa do consumidor pede atenção à reposição de peças.
Procon diz que situação ficaria difícil se GM parasse de produzir no país.

O consumidor brasileira deve ficar atento aos efeitos que a concordata da montadora norte-americana General Motors (GM) pode produzir no País, segundo a associação de defesa do consumidor ProTeste. "Temos de considerar que uma concordata não é uma falência total, mas isso mostra que a coisa não anda bem para o lado da empresa", diz a coordenadora institucional da entidade, Maria Inês Dolci.


Segundo ela, os consumidores devem monitorar a oferta de peças de reposição e a disponibilidade dos serviços de manutenção, atenção que deve ser redobrada por quem possui um veículo importado da companhia. "Enquanto houver manutenção e reposição, a situação está sob controle, mas fica preocupante a partir do momento em que o consumidor encontra dificuldades para ter essas demandas atendidas." A GM do Brasil informa que não importa carros nem peças dos Estados Unidos.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

GM fracassa ao trocar dívida por ações

Quantidade principal de títulos oferecidos foi inferior à necessária.
Montadora está muito próxima do pedido de concordata.

A General Motors (GM) informou nesta quarta-feira (27) que não seguirá adiante com a troca de dívida de US$ 27,2 bilhões, pois o interesse dos detentores de bônus ficou bem abaixo dos 90% desejados pela montadora norte-americana. A empresa disse que seu conselho se reunirá para discutir o próximo passo, uma vez que a decisão aumenta as chances de um pedido de concordata da montadora.

A GM vinha buscando trocar a dívida por uma participação de 10% em uma empresa reestruturada. A GM disse anteriormente que enfrentaria uma concordata se menos de 90% dos detentores de bônus aceitassem o acordo, um porcentual que já era considerado quase impossível de se atender.

A montadora tem buscado se concentrar nas quatro marcas principais, enquanto fecha e venda linhas que estão abaixo da performance, na tentativa de se reerguer em meio ao forte declínio das vendas de automóveis.


A empresa pode pedir concordata antes do prazo estipulado pelo governo dos Estados Unidos, de 1º de junho, para se reorganizar em uma empresa viável. A GM espera passar pela recuperação judicial em apenas 30 dias, mas a corrida por uma concordata acelerada pode ter como obstáculo os investidores e revendedores da montadora.

A GM e o sindicato dos trabalhadores do setor automotivo dos EUA (UAW, na sigla em inglês) concordaram com um novo plano de reestruturação que daria ao sindicato uma participação significativamente menor na empresa do que o previsto anteriormente, e deixaria o governo norte-americano com ao menos 70% da montadora.

O plano do governo dos EUA também pede o pagamento integral aos credores assegurados da GM, incluindo os bancos Citigroup e JPMorgan, para quem a montadora deve cerca de US$ 6 bilhões. Isso removeria um potencial obstáculo a uma recuperação judicial acelerada. As informações são da Dow Jones.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Ford Taunus


Brasil terá de aperfeiçoar a tecnologia flex, apontam especialistas

EUA aumentam rigidez para emissões e pressionam outros mercados.
Consumo de etanol ainda é elevado no sistema bicombustível brasileiro.

A corrida dos Estados Unidos para reduzir consumo de combustível e emissões começa tarde. Europa e Japão e até mesmo o Brasil já possuem programas contínuos que incentivam a indústria automobilística a investir em veículos mais ecológicos. Entretanto, o posicionamento agora rigoroso dos Estados Unidos influenciará os mercados emergentes a adotar soluções “verdes”, especialmente na adoção de combustíveis renováveis. Neste caso, o desafio brasileiro será aperfeiçoar a tecnologia flex, já que o consumo de álcool ainda é elevado nesse sistema.

“O Brasil por causa do etanol tem a vantagem do carro flex, mas terá de melhorar muito tecnologicamente. Do ponto de vista de emissão, o país está muito bem, mas em consumo está em desvantagem, porque o carro abastecido com álcool consome mais”, explica o vice-presidente da empresa de consultoria CSM Worldwide.

Para Cardamone, a busca pela redução de consumo virá também da forte pressão dos clientes e obrigará as montadoras a trazer tecnologias que já existem em outros mercados. E isso não demorará tanto. Segundo o vice-presidente da CSM Worldwide, esse movimento deverá acontecer nos países em desenvolvimento, como o Brasil, entre 2015 e 2018.


Segundo o consultor de emissões e tecnologia da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Alfred Szwarc, a Unica tem conversado com as montadoras sobre o aperfeiçoamento do sistema bicombustível. “A gente entende que é possível agregar mais tecnologia aos veículos nacionais. Esperamos que o programa de etiquetagem de economia de combustível do Inmetro seja outro elemento motivador desta melhoria”, diz Szwarc.

Na opinião do consultor da Unica, a medida dos Estados Unidos não terá repercussão imediata, mas reforçará a nova legislação para combustíveis que será anunciada ainda este ano pela Agência Ambiental dos Estados Unidos, a exemplo do que foi adotado pelo estado da Califórnia. “Essas duas medidas combinadas poderão trazer impacto positivo sobre o etanol brasileiro (de cana-de-açúcar), que tem baixo nível de emissão em relação ao etanol do milho”, observa Szwarc.

Etanol é solução local

Apesar do interesse de fabricantes de veículos no uso de etanol, como é o caso da Ford, o álcool combustível é considerado uma solução energética restrita ao mercado brasileiro. “Só conseguimos os flex porque nos anos 80 tivemos carros a álcool, então diria que não foi nada planejado, o carro flex foi mais uma visão de marketing do que algo para resolver o problema ambiental”, avalia Cardamone.

Na visão do consultor, isso significa que o Brasil não se tornará grande exportador de etanol ou de tecnologia flex, exportando baixos volumes. De acordo com Cardamone, a América do Sul vai começar a fazer blends de 5% a 10% de álcool na gasolina. Acima de 25% de mistura, é preciso alterar os componentes do veículo, o que o torna ‘flex’, como é o caso de modelos E85 (com 85% de etanol e 15% de gasolina), já existentes nos Estados Unidos e na Europa. “Só a Colômbia adotará o E85, mas em 2012”, ressalta o consultor.

Entretanto, Alfred Szwarc diz que a dificuldade de exportar etanol para o mercado norte-americano em volume maior do que é vendido atualmente é uma questão de mercado. “O mercado dos EUA está deprimido, qualquer aumento de exportação vai estar relacionado ao aumento da demanda.Segundo ponto, há o fator preço, e aí entram as tarifas”, explica Szwarc sobre as dificuldades em melhorar a competitividade.

Segundo ele, não há perspectivas claras sobre como o novo congresso americano irá se comportar em relação às barreiras alfandegárias. “Historicamente, um congresso dominado por democratas é mais protecionista, vamos esperar para ver”, acrescenta.

Commodity

Para ajudar nas exportações, o Brasil tenta transformar o etanol em commodity. De acordo com o consultor da Trevisan Consultoria, Antônio Carlos Porto Araújo, o processo de “commoditização” é lento, mas ganhou ajuda com a mudança da nomenclatura de “álcool” para “etanol”. “O combustível vai entrar no mundo como etanol, para a commoditização é preciso seguir uma série de requisitos e classificações, que passam também pela nomenclatura”, observa Araújo. Segundo ele, outro mercado em potencial para a importação de etanol é o africano.

(G1)

Quatro postos vendem o litro da gasolina a R$ 1,4624 nesta segunda (25)

Valor é cerca de 40% menor que o cobrado normalmente.
Desconto equivale aos impostos que incidem sobre o produto.

O litro da gasolina será vendido nesta segunda-feira (25) cerca de 40% mais barato que o preço normal. O desconto equivale ao imposto cobrado sobre o produto e faz parte de um protesto contra a alta carga tributária cobrada no País. Em quatro postos de São Paulo, Rio, Belo Horizonte e Porto Alegre o combustível será vendido a R$ 1,4624, enquanto o preço normal é de R$ 2,399.

Para chamar a atenção sobre os impostos que incidem em cascata sobre o consumo, a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e o Instituto Mises Brasil vão subsidiar a venda de gasolina sem tributos como Cide, PIS, Cofins e ICMS. As duas entidades escolheram esta segunda-feira (25) para realizar o que chamam de Dia da Liberdade de Impostos, que mostrará o peso dos impostos no dia a dia das pessoas.

"A data foi escolhida para lembrar o dia exato em que o brasileiro para de trabalhar para pagar tributos e começa a trabalhar para si", explica Ricardo Salles, um dos coordenadores do evento. Segundo seus cálculos, todos os anos os brasileiros têm de trabalhar 145 dias (de 1º de janeiro a 25 de maio) apenas para pagar os tributos cobrados pelo governo.

Em São Paulo, o protesto será realizado no Centro Automotivo Portal das Perdizes, posto de bandeira Ipiranga na Avenida Sumaré, bairro de Perdizes. A venda subsidiada terá início às 10 horas e é necessário pegar uma senha. A expectativa é atrair 20 mil pessoas ao protesto nas quatro capitais.


Impostômetro

O tradicional Impostômetro, instalado no centro de São Paulo, também vai chamar a atenção para a elevada carga tributária paga pelos brasileiros. O medidor de tributos da ACSP, no centro de São Paulo, deverá chegar, às 15 horas desta segunda-feira, à marca de R$ 400 bilhões de impostos federais, estaduais e municipais pagos pelos brasileiros. Em dezembro do ano passado, o marcador chegou à casa de R$ 1 trilhão (15 dígitos) em impostos pagos.

(Agência do Estado)


Fábrica de automóveis chinesa vai instalar unidade no Brasil

Pequim (China) - A fábrica de automóveis chinesa Chery, uma empresa estatal da província de Xangai, vai se instalar no Brasil para produzir 150 mil carros por ano. Os chineses estão estudando locais para abrir a unidade no Rio de Janeiro, em São Paulo, em Minas Gerais e no Ceará.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está desde ontem (18) na China, na segunda etapa da viagem à Ásia, que inclui ainda visita à Arábia Saudita e à Turquia.

Segundo Lula, sua visita à China tem o objetivo de fortalecer a parceria estratégica entre o Brasil e aquele país, que está centrada em três importante setores: comércio, cooperação científica e coordenação em questões internacionais.


terça-feira, 19 de maio de 2009

Coreanos fazem carro que anda sobre 'rua elétrica'

Energia é transmitida ao veículo por faixas no asfalto.
Bateria garante autonomia de 80 km ao carro.

Engenheiros da Coreia do Sul estão trabalhando em um novo protótipo de sistema para um veículo eléctrico sistema, no qual a energia não vem do motor, mas de faixas eletromagnéticas fixadas no asfalto.

O projeto do Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia do Sul (KAIST) foi apresentado esta semana em Daejeon.


"Os carros trazem muitos problemas de poluição para a Coreia, assim como para outros países. Usamos hidrocarbonetos orgânicos combustíveis, principalmente

petróleo, e que, por sua vez, gera problemas ambientais", disse Suh Nam-pyo, presidente do instituto KAIST.

A capital Seul, com 10 milhões de habitantes, está ficando mais quente três vezes mais rápido do que a média mundial, conforme anunciou o Instituto de Meteorologia sul-coreano.

Para Suh, a solução óbvia: "Substituir todos os veículos movidos com motor de combustão por carros que não poluem o ar e não utilizar o petróleo."

Suh, um inventor formado no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), disse que a potência necessária para o carro andar poderia vir não de um contato mecânico, mas do própria pista por onde ele passa.

O protótipo desenvolvido por ele capta a energia elétrica a partir de tiras embutidas na estrada (e não de trilhos, como nos trens, ou fios suspensos, como nos trólebus).

A energia é armazenada em uma pequena bateria, um quinto do tamanho das baterias normalmente utilizadas, permitindo ao veículo ter energia suficiente para mais de 80 km, disse Cho Dong-ho, o cientista encarregado do projeto.




(G1)

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Imagens de FIAT Uno Turbo pelo mundo






Fiat prepara a principal reformulação da história do Mille


Compacto está entre as melhores estratégias de produto no Brasil.
Novas leis forçam mudanças e Fiat investe para se proteger dos chineses.

Polêmico até hoje pelo design, conteúdo e preço, o Fiat Mille tem uma das melhores estratégias de produto do setor no Brasil: lançado em 1984 com o nome Uno, o modelo ainda é fenômeno de mercado e ocupa a terceira colocação em vendas no país. Embora continue praticamente o mesmo carro desde o lançamento, o modelo deverá receber a principal reformulação de sua história, podendo sobrar apenas o nome. A Fiat nega mudanças, entretanto, o carro terá de se adequar às leis que obrigam a instalação de airbags e freios ABS a partir de 2014.

E mexer em time que ganha é a maior preocupação da montadora, que evita falar no assunto por motivos mais do que estratégicos. De janeiro a abril deste ano, o volume de vendas do modelo chegou a 51.564 unidades. De acordo com o diretor comercial da Fiat, Lélio Ramos, a meta é vender neste ano o mesmo volume de 2008, ou seja, 141 mil unidades. O que, pelo jeito, não será nenhum desafio.

Especulações no setor dizem que um novo carro chegará em 2010. Para reforçar o boato da mudança, fotos de um compacto em testes já circulam pela internet como “o novo Mille”. Sobre o assunto, o presidente da Fiat do Brasil, Cledorvino Belini, é direto e usa poucas palavras. “O Mille continuará em linha de produção, do jeito que está”, diz. O que, teoricamente, garantiria a fabricação do modelo atual até 2014, mesmo com a chegada antes desta data de um novo modelo que o substitua.

O fato é que Belini é cauteloso ao falar sobre o carro mais barato do mercado nacional (a partir de R$ 21.960). E que já conseguiu outras marcas em sua história, como o fato de ser o primeiro carro mundial da Fiat (quando ainda chamava Uno), por revolucionar os conceitos de design – criado pelo renomado italiano Giorgetto Giugiaro, as linhas retas do modelo disponibilizam um amplo espaço interno, apesar do tamanho reduzido – , e ter sido o primeiro modelo com motor 1.0 no mercado nacional.

Abertura para concorrentes

Como os altos investimentos de desenvolvimento de produto já foram diluídos ao longo dos anos, a Fiat consegue trabalhar com folga o preço do veículo. Barato para os padrões brasileiros e o baixo consumo de combustível são os principais motivos que levam o consumidor a optar pelo Mille.


E se engana quem pensa que ele se tornou apenas “o carro da firma”. Segundo levantamento da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), foram vendidas 6.138 unidades para pessoas físicas em abril e, para jurídicas, 7.671 unidades.

Assim, um novo projeto ou futuras adaptações por causa da legislação – que incluem sistema de controle de funcionamento de ABS e airbag, projeto das bolsas, volante e console, instalação e calibração e homologação dos sistemas — irá gerar custos, que abrirão oportunidades para os concorrentes, em especial, os chineses que já possuem agressivas políticas de preços.

“O Mille possui um excelente histórico que proporciona seu sucesso de vendas. Mas reconhecemos também a capacidade das políticas de preços agressivas por parte destas novas marcas, por isso estamos sempre atentos, monitorando suas atividades”, observa Lélio Ramos.

Questionado se a nova legislação prejudicará a estratégia de preço do Mille, Lélio Ramos desconversa. “Sabemos das novas exigências previstas no mercado brasileiro e estamos sempre prontos para atendê-las”, afirma.

(G1)

sexta-feira, 15 de maio de 2009

FIA diz que não há concessão sobre teto orçamentário

LONDRES (Reuters) - O presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Max Mosley, disse que não haverá uma concessão sobre o proposto teto orçamentário para a próxima temporada da Fórmula 1, e que as equipes vão reconsiderar suas posições.

Mosley acrescentou que a Ferrari, que ameaçou deixar a Fórmula 1 no próximo ano, vai entrar com uma ação na Justiça da França para tentar impedir as mudanças de regras propostas para a próxima temporada.

Mosley falou após uma reunião da FIA com as equipes em Londres.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Logo da Mercedes pode pintar no carro da Brawn

Diretor esportivo da Mercedes, Norbert Haug disse que a montadora poderá estampar sua logomarca nos carros da Brawn GP nas próximas etapas da temporada da Fórmula 1.

Até o momento, o acordo previsto é apenas de cessão de motores, mas, diante dos excelentes resultados da nova equipe, a Mercedes está disposta a ampliá-lo.

"Nós temos várias possibilidades e opções e elas foram oferecidas para nós",contou Haug, em entrevista à TV alemã RTL.

A Mercedes só estampa sua logomarca nos carros da McLaren, até porque a montadora tem ações da escuderia. Na Force India, o logo não aparece.

Reformas em Interlagos custariam até R$ 22 milhões


Palco da penúltima prova da temporada 2009 da Fórmula 1, o autódromo de Interlagos terá que novamente passar por algumas reformas para abrigar a principal categoria do automobilismo mundial. Como é de praxe, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e a Formula One Management (FOM) fazem uma série de exigências, que este ano custarão entre R$ 16 milhões e R$ 22 milhões.

O custo da reforma de Interlagos é semelhante àquele exigido para que a cidade recebesse a edição 2008 da prova, R$ 23 milhões, segundo a SPTuris (São Paulo Turismo) - os números de 2009 serão fechados em reuniões nas próximas semanas.

Porém, já é certo que desta vez as preocupações são bem menores que de anos anteriores: em 2007, por exemplo, o circuito chegou a ficar fechado por cinco meses. Com o asfalto ainda em boa qualidade, a única alteração na pista deve ser uma pequena modificação na Curva do Café a fim de aumentar a segurança dos competidores.

"Temos tambem que fazer as arquibancadas tubulares, colocar mais toldos definitivos no HCs (Hospitality Centers, locais que as empresas patrocinadora montam para recepcionar seus convidados) e mais duas ou três salas de apoio para as equipes", explica Roberto Seixas, administrador de Interlagos.

"Não haverá nenhuma obra vultuosa este ano", continua Seixas. O autódromo deve ser fechado para esta modificação no final de agosto e assim permanecerá até que o circo da Fórmula 1 desembarque no Brasil, na semana de 18 de outubro.

Os carros de Fórmula 1, porém, poderão ser vistos um pouco antes: entre 15 e 16 de agosto, Interlagos recebe uma das etapas do campeonato da Fórmula 1 Histórica, categoria que reúne carros como a McLaren M23, com a qual Emerson Fittipaldi conquistou seu segundo título mundial, em 1974, e a Brabham BT-49, carro que conduziu Nelson Piquet ao seu primeiro título, em 1981.

O evento, entretanto, não vai atrapalhar em nada a realização da Fórmula 1. "Isso vai ao encontro da filosofia do prefeito Gilberto Kassab, que desde 2005 vem fazendo investimentos em Interlagos, até para que possamos receber outros eventos que não a F1", afirmou Caio Luiz de Carvalho, presidente da SPTuris.

Ela explica que a idéia é, nos próximos anos, transformar a região do autódromo em um ponto turístico da cidade. "Serão feitos dez parques na região, que vai se integrar com o circuito, como já se integrou o trem", explica Carvalho. "Interlagos é um autódromo que não para de se renovar", destaca.